A inovação vem da câmera

Anualmente vemos uma série de lançamentos em tecnologia que movimentam a economia mundial e levam milhões de pessoas a trocarem de smartphones, televisores, tablets e computadores. Mas atualmente isso parece estar mudando.

A grande estrela dos lançamentos de smartphones todos os anos era a Apple, mas parece que a fonte de criatividade anda secando. A maçã está perdendo o seu papel de vanguardista e está sempre saindo atrás das poderosas empresas asiáticas nos lançamentos.

Talvez seu conservadorismo, a empresa do iPhone tem ousado cada vez menos nos seus produtos e lançado tímidas atualizações para tentar alcançar a concorrência que, entre outros atrativos, tem preços absurdamente menores do que ela.

(Fonte: Divulgação Apple)

Prestes a lançar o sucessor da versão XS dos seus smartphones, pouco alarde vem sendo causado e o interesse pela empresa tem diminuído, o reflexo disso aparece nos números: o iPhone vem perdendo cada vez mais mercado para empresas como Samsung, Huawei e Xiaomi.

Anunciado para o dia 10 de setembro, o evento de lançamento dos novos iPhones deve lançar o sucessor da linha atual, um novo incremento de preço, que já chega a quase 10 mil reais em algumas versões, e alguma melhoria nas câmeras, processador e algo relacionado a software como de costume. Tudo isso para deixar a retaguarda do setor.

O Twitter do Ben Geskin costuma vazar as imagens dos protótipos dos iPhones sempre próximo do lançamento e ele o fez recentemente mostrando que, mais uma vez, o foco do lançamento pode ser a câmera, com a inserção de uma terceira câmera traseira.

(Fonte: Ben Geskin/Twitter)

Sites como o DXOMARK avaliam as câmeras dos celulares atuais e, entre os 10 melhores, apenas o iPhone XS Max figura, justamente na décima posição. A primeira e a terceira posição são ocupadas pelo novíssimo Samsung Galaxy Note 10+ 5G e o Galaxy S10 5G respectivamente, mas passou um bom tempo sendo capitaneada pelo poderoso Huawei P30 Pro.

(Fonte: Divulgação Samsung)

A importância da foto no iPhone é tão grande que, por algum tempo o Instagram existia apenas na App Store, e lançou uma tendência que até hoje nós estamos imersos: a exposição de um estilo de vida mais imagético.

Vale lembrar que a câmera do iPhone, por muito tempo foi um sinônimo de qualidade e despertava o desejo de muitos consumidores. E sempre teve um grande volume de investimentos da marca. Mas, talvez por depender de peças produzidas por empresas asiáticas, que andaram se especializando, ela perdeu um pouco o timing e precisará correr contra o tempo se ainda quiser apostar nesse filão como diferencial da marca.

(Fonte: Pixabay)

A empresa que, na era de Jobs navegava tranquila nas águas da liderança, está ensaiando uma queda no protagonismo caso não consiga reinventar seus produtos simbólicos que, por muito tempo foram a referência mundial do mercado tecnológico e causaram uma grande mudança na forma como nos comunicamos e fotografamos. Isso tudo claro, são suposições, pois o lançamento ainda acontecerá no dia 10.

Em uma sociedade muito ligada à imagem, a inovação dos smartphones está sendo segurada pelas câmeras. O hardware vem se diferenciando de formas muito tímidas e a maioria das novidades acaba sendo na área da fotografia ou da bateria, grande vilão das telas cada vez mais consumidoras de energia.

Something to Say?

Your email address will not be published.